sexta-feira, 28 de março de 2014

O Infame Ciclista


Foi ontem anunciado no mural da PSP que, no período compreendido entre 1 e 4 de Abril, seria promovida a « realização diária de acções de sensibilização e fiscalização de trânsito especialmente direccionada aos condutores de velocípedes no que respeita ao cumprimento do Código da Estrada e suas recentes alterações ».


Posto isto, já posso imaginar que teremos os carros patrulhas estacionados em pontos estratégicos da cidade e os senhores agentes a mandar os ciclistas encostar.


- Ora muito bom dia ! - diz o Sr. Agente.
- Bom... dia ... - responde o ciclista confuso.
- Posso saber porque é que estava a circular junto à berma ? 
- Porque se ocupo o meio da faixa os automóveis fazem-me razias ...
- Pois. Vou ter de o autuar. O sr. ciclista tem de ir mais ao centro da via. Não ouviu falar das alterações ao Código da Estrada ?



Mas, se continuarmos a ler a notícia percebemos que afinal o cerne da questão não são as alterações ao Código ... não ... Ora reparem:  « esta operação tem por objectivo dissuadir os comportamentos de risco dos condutores de duas rodas, de forma a incrementar os sentimentos de direito e dever, dinamizando uma verdadeira cultura se segurança rodoviária para todos os utentes da via ». 

Basicamente a ideia que passa é que a dinamização da tal cultura de segurança rodoviária para todos os utentes passa por dissuadir os comportamentos de risco dos condutores de duas rodas. Esses bárbaros!




Note-se que não sou contra a realização deste tipo de campanhas. Mas, se o propósito é   « dinamizar uma cultura de segurança para todos os utentes da via » é importante que estas campanhas tenham como foco TODOS os utentes. É importante esclarecer, informar e, talvez assim, mudar os comportamentos.

Quantos de nós ciclistas, em conversa com um colega ou amigo automobilista, ouviu um  

 « Olha lá, mas porque raio é que vocês agora andam no meio da estrada ?! » 


A verdade é que, de repente, os condutores automóveis, vêm o seu espaço ocupado por bicicletas. « São as alterações! » - dizem os noticiários. 

Naturalmente que, como diz o Tio, se considerarmos que alguns portugueses consideram as estradas « pistas de exibição das suas extensões corporais para auto afirmação », estas alterações não serão bem vindas nem toleradas. No entanto, se algum de nós já parou para explicar esta ou aquela alteração, regra geral a resposta até é bastante positiva! 

« Pois... realmente faz sentido! Nunca tinha pensado nisso... É chato porque atrapalham um bocado o trânsito mas ... faz sentido... »


O "nunca tinha pensado nisso" é frequente. E normal. E revela que realmente falta divulgação. Eu e tu, que pedalamos, sabemos que se nos encostarmos demasiado à berma estamos tramados com os buracos, as sarjetas, o lixo e afins. Mas ... e o automobilista que nunca andou de bicicleta na cidade ? Provavelmente até tem um todo-o-terreno e os buracos não são problema! Se a informação não lhe chega, se a única coisa que lhe dizem é que "houveram alterações" e aquilo a que assiste são campanhas de demonização do ciclista (que não tem seguro, que não paga imposto, que não usa capacete e que não pára nos vermelhos), como se pode esperar "dinamizar uma cultura de segurança" e uma sã convivência ?


Basta ler os comentários a essa publicação para perceber que, meses depois da entrada em vigor das alterações, muitos utilizadores da via pública continuam pouco informados acerca dos « porquês ». Vejam-se alguns dos comentários: 







As questões são sempre as mesmas ... o seguro, o imposto, a circulação a par. Não será isto revelador de que falta realmente informação ? A PSP tem realmente feito um bom trabalho ao esclarecer algumas questões na sua página do facebook mas, não estaria na altura de arregaçarmos as mangas e fazermos alguma coisa com IMPACTO ?  






Espreitem o próximo post e conheçam algumas das campanhas, pela sua originalidade e capacidade de espalhar a mensagem por diferentes segmentos, têm uma maior eficácia :)

Sem comentários:

Enviar um comentário